Procon Porto Alegre esclarece dúvidas sobre o novo sistema de pagamentos Pix

0
Alex Rocha / PMPA
Pix - sistema de pagamentos
Ferramenta é uma opção ao boleto, TED, DOC ou até mesmo ao cartão de débito

Em operação desde o dia 16 de novembro, o Pix é o novo sistema para pagar contas e compras ou fazer transferências instantaneamente, disponível no aplicativo bancário e no internet banking das instituições financeiras. A ferramenta é uma opção ao boleto, TED, DOC ou até mesmo ao cartão de débito. O Procon Porto Alegre, juntamente com a Associação Brasileiras de Procons (ProconsBrasil) e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), elaborou dicas sobre o Pix, especialmente como utilizar e cuidados que devem ser tomados com esse novo recurso.

O objetivo do Pix é possibilitar a realização de transferências e pagamentos, que estarão disponíveis em segundos ao favorecido. Para isso, será utilizada a chave Pix, que é um localizador das informações bancárias completas de pessoas e empresas, visando tornar as operações mais rápidas e descomplicadas. 

Confira algumas dicas sobre o funcionamento do Pix:

Adesão – Para aderir, é necessário criar a chave Pix. Para isso, a pessoa deve usar os canais de atendimento do banco ou instituição financeira no qual possui conta.

Transações – Ao fazer uma transação bancária, o pagador informará apenas a chave Pix. No entanto, as informações do destinatário servem para conferir a correção da operação, antes dela ser finalizada.

Operação de débito – O Pix não é uma operação de crédito, pois o dinheiro é descontado imediatamente, à vista, na sua conta corrente.

Vantagens – A ferramenta não tem custo para pessoas físicas e MEIs (microempreendedores individuais), exceto se exercer alguma atividade comercial e utilizar a sua conta pessoal para o recebimento. Ou seja, autônomos que recebam o pagamento por uma conta pessoal vão ser tarifados pelo seu banco. Além disso, estará disponível 24 horas ao dia, todos os dias, inclusive finais de semana. Consulte mais informações no site do Banco Central do Brasil.

Falsificação – Os clientes devem ficar atentos aos links enviados por e-mail, SMS, redes sociais ou WhatsApp. É por meio deles que os golpistas costumam se aproveitar para obter vantagem. Importante reforçar a orientação para que os consumidores nunca abram links de contatos desconhecidos.

Compras pela internet – Nas compras pela internet, caso o pagamento seja feito pelo Pix, é importante que o consumidor peça os dados da empresa, como o CNPJ, e consulte o seu site para verificar a correção das informações fornecidas.

Para tirar outras dúvidas, o cliente poderá entrar em contato com a instituição financeira na qual cadastrou a sua chave Pix, através do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC). Em caso de reclamação, é possível registrar a demanda na plataforma digital www.consumidor.gov.br (site ou aplicativo oficiais), ou procurar o Procon de sua cidade ou Estado, tendo à sua disposição, ainda, o site do Banco Central do Brasil, órgão responsável pela criação e supervisão do Pix.

Fonte: Prefeitura Municipal de Porto Alegre
Texto, edição e imagens: Equipe Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.