Conheça League of Legends: Wild Rift

0

Por anos, “League of Legends” permaneceu no topo das paradas, comandando um cenário robusto de eSports, sendo classificado como o jogo mais transmitido ao vivo do Twitch e atraindo milhões de jogadores diários no PC. Mas tente convidar um novo jogador para aprender “League of Legends” e ele pode ter uma quantidade desafiadora de informações para absorver ou não ter as especificações técnicas em seu computador para rodar o jogo sem problemas.

A empresa controladora Riot Games visa dar aos novos jogadores mais chances de aprender e jogar com “League of Legends: Wild Rift” no celular. Ele foi lançado na plataforma iOS da Apple e em dispositivos Android no Brasil em 29 de março. A Riot também tem planos de trazer o jogo para o console, mas não quis dizer quando ou em quais plataformas.

wild rift
Fonte: Site oficial do jogo League of Legends: Wild Rift

“Wild Rift” também está prestes a se tornar um esporte móvel, com torneios começando no sudeste da Ásia e na Europa. A Riot disse que teria mais a compartilhar em seus planos de esportes eletrônicos até o final do ano. Até agora, nas regiões em que o jogo foi lançado, o download foi feito quase 22 milhões de vezes e atingiu mais de US $ 29 milhões em gastos do usuário, de acordo com a empresa de análise de aplicativos Sensor Tower.

O jogo multiplayer de arena de batalha online foi reconstruído quando foi trazido para plataformas móveis, um movimento há muito aguardado pelos fãs. Para trazer “League of Legends” para o celular, a Riot realizou um ato de equilíbrio entre apelar para jogadores veteranos e atrair novos.

Partes-chave de “Wild Rift” permanecem reconhecíveis para jogadores veteranos do jogo. O objetivo ainda é destruir o nexus do inimigo e os fãs verão os mesmos campeões. “Wild Rift” mantém seus vários estágios do jogo, abreviados para dispositivos móveis: a fase de rotas, onde os jogadores abatem as tropas inimigas para ganhar ouro e retornam à base para comprar itens e aumentar seu poder, o meio de jogo, onde os jogadores começam a vagar para matar dragões e destruir torres e final do jogo, em que ambas as equipes alcançam todo o potencial na construção de itens e nas habilidades aprendidas.

Como o clássico “League”, “Wild Rift” tem um modo de jogo normal onde equipes de cinco lutam e criam estratégias para destruir as bases umas das outras, um modo de classificação para determinar a posição de alguém contra outros jogadores, um modo contra bots e um modo tutorial. Um modo de jogo menos estratégico e mais agressivo chamado All Random, All Mid (ARAM) está programado para uma atualização posterior.

No entanto, muita coisa mudou em “Wild Rift”. No PC, a habilidade final de Ashe, uma flecha de cristal encantada que atordoa e causa danos ao inimigo, atira direto na direção que o jogador seleciona. No celular, esta flecha pode ser direcionada após o lançamento e até mesmo se curvar em direção a um inimigo para aumentar as chances de atinge um alvo. O mapa é menor no celular e é mais simples de navegar. Os jogadores podem selecionar construções de itens na tela de seleção de campeões para agilizar o jogo, e as tropas brilharão quando estiverem prontas para serem atingidas por um golpe mortal para compensar a tela menor do jogo. E todos os controles de teclado e mouse foram redesenhados como controles de toque para dispositivos móveis.

“Provavelmente é mais fácil pensar sobre o que não mudou neste momento”, disse o diretor de design de jogos Brian Feeney. “Nossa abordagem geral era criar uma experiência autêntica de League em novas plataformas e sabíamos que tínhamos que fazer alguns ajustes no jogo, nos campeões e nos controles para realmente cumprir essa promessa aos jogadores.”

Habilidades passivas no PC, representadas por botões que não precisam ser pressionados, tornaram-se um problema no celular se deixadas inalteradas, pois os jogadores teriam “botões mortos” em sua tela, então a Riot adicionou um elemento ativo ao passivo Campeões como Nasus que levam seu tempo ganhando força tiveram que ser ajustados para atingir o poder mais rapidamente, dada a duração menor do jogo. Ainda assim, a Riot disse que não quer fazer de “Wild Rift” um novo jogo para aprender.

“Não queremos que os jogadores fiquem entre League PC e ‘Wild Rift’ e tenham que reaprender completamente como jogar contra um campeão. A última coisa que queremos que os jogadores pensem é: ‘Espere, como funciona esta versão de Darius novamente? ‘”Feeney disse.

Campeões de League serão adicionados ao longo do tempo, com a gárgula Galio chegando em 1º de abril, o tatu coberto de armadura Rammus previsto para 22 de abril e Renekton, parecido com um crocodilo, em 12 de maio.

Como o jogo para PC, “Wild Rift” tem um passe de batalha e skins cosméticas dentro do jogo que custam dinheiro real. Se os jogadores comprarem o passe de batalha, a recompensa da temporada é o Hexplorer Jax, que parece visualmente muito diferente das skins de popstar K / DA que a Riot popularizou e apresenta Jax, um campeão que não ganhou muitas novas skins. Hexplorer é uma nova linha de skins criada para “Wild Rift” pela equipe de skins da Riot.

“Usamos uma nova linha de skin para diferenciar, pois queremos que os jogadores possam associar imediatamente uma determinada skin ou linha de skin com o Wild Pass”, explicou o líder de estratégia de receita Jeff Cho. “Se fôssemos usar uma linha de skin existente, haveria uma carga maior de conhecimento sobre os jogadores para lembrar qual skin de um determinado conjunto só pode ser obtido no Wild Pass.”

Há também um novo recurso que “Wild Rift” está introduzindo, chamados de bugigangas, pequenos itens que um jogador pode jogar em seu oponente em vez de xingamentos. Faz parte da experimentação da Riot dar aos jogadores formas idealmente menos tóxicas de se comunicarem com seus oponentes. Os enfeites podem ser uma fatia de pizza ou uma pequena lápide a ser colocada no mapa e que não têm nenhum outro propósito no jogo. Eles serão vendidos na loja do jogo por dinheiro real ou podem ser ganhos como uma recompensa grátis por jogar.

O jogo roda no iPhone 6 Plus e mais recentes, e em celulares Android com processadores de pelo menos 1,5 GHz. A Riot disse que pode funcionar com alguns controladores, mas ainda não foi otimizado para suportar todos os controladores. “Wild Rift” ainda está em fase de teste beta aberto.

“Não estamos em posição de declarar que ‘este é o jogo’ ou a promessa de ‘Wild Rift’ foi totalmente cumprida”, disse o líder de publicação Eric Krause.

O jogo ainda não está disponível na China continental ou na Índia, mas a Riot tem planos de lançá-lo nesses países também. As Américas são uma das últimas regiões a obter acesso ao Wild Rift, depois da Europa e do Sudeste Asiático, e o lançamento para a região ficou para trás em relação à janela de lançamento de 2020 anunciada anteriormente. Para resolver isso, as Américas estão recebendo um evento específico no jogo chamado Wild Welcome para ajudá-los a atualizar o conteúdo e ganhar recompensas por jogar mais jogos.

O diretor de operações técnicas da Riot, Landon McDowell, atribuiu a implementação mais lenta nas Américas aos “desafios de conectividade entre os EUA, onde estão vários de nossos servidores e onde nossos jogadores estão baseados na América Central e do Sul”. Instalar servidores em todo o mundo estaria espalhando recursos muito escassos, disse McDowell, e tornaria “mais difícil fazer combinações de qualidade”. Por enquanto, locais selecionados como o Brasil terão servidores e melhores serviços, enquanto aqueles fora dessa área podem ter conexões mais fracas, enquanto a Riot trabalha na construção de sua infraestrutura.

McDowell explicou que o Sudeste Asiático foi focado primeiro porque seria “o mais complexo tecnicamente e nos ajudaria a identificar e resolver a maioria dos problemas à medida que expandíamos outras regiões”.

Um próximo evento em “Wild Rift” chamado Masters of the Hunt é um aceno para a extensa tradição de “League” em torno de seus mais de 150 campeões. No evento em 6 de maio, o assassino vazio Kha’Zix e seu nêmesis, uma criatura felina chamada Rengar, irão caçar e perseguir uns aos outros, e os jogadores decidem qual caçador ganha a rodada.

“Estamos constantemente em busca de conexões com a tradição quando planejamos lançamentos de conteúdo para que campeões com rivalidades ou amizades sejam mais propensos a serem lançados juntos e acompanhados por eventos baseados em narrativas”, disse Jenny Liu, líder de eventos. “Descobrimos que os jogadores desfrutam das ricas conexões dentro do universo de nossos campeões.”

O que você acha do lançamento do League of Legends para celulares? Deixe-nos saber, comente abaixo.